Eternos Aprendizes

07/01/2009

Surpresa! A Via Láctea é muito mais massiva e gira mais rápido do que pensávamos

Surpresa! A Via Láctea é muito mais massiva e gira mais rápido do que pensávamos

dn14057-1_600-milk-way-arms

Os cientistas revisaram profundamente a massa da Via Láctea e descobriram que nossa galáxia é 50% mais massiva que se pensava anteriormente.

A Via Láctea não é mais a “irmã-menor” da galáxia Andrômeda, agora concluiu-se que ela está emparelhada com Andrômeda em termos de massa, ou seja, como massa equivalente a 3 trilhões de vezes a massa do Sol.

Além disso, constatou-se que a Via Láctea gira sobre seu centro muito mais rápido.

Vamos ver a seguir como chegaram a essa conclusão…

Os astrônomos chegaram a estimativa da nossa massa galáctica usando a rede de radiotelescópios VLBA (Very Long Baseline Array) pertencente a National Science Foundation. Foram feitas imagens detalhadas da estrutura da galaxia, medindo distâncias e movimentos de diversas áreas da Via Láctea. Essas medidas de alta precisão, apresentadas no 213º encontro da AAS (American Astronomical Society) demonstram que a velocidade apurada na posição no nosso sistema Solar (a uma distância de 28.000 anos-luz do centro da galáxia) é cerca de 160. 000 km/h (44.444 m/s) mais rápida. Nessa distância, a novas medidas mostram que a galáxia está rodando a 965.600 km/h (268.222 m/s), comparada com a estimativa prévia de 804.672 km/h (223.500 m/s). O aumento da velocidade de rotação da Via Láctea acarreta um aumento de 50% em sua massa, segundo comentou Mark Reid do Harvard-Smithsonian Center de Astrophysics.

A nova massa estimada da Via Láctea é de cerca de 3 trilhões de massas-solares, Reid confirmou, e tal massa significa um aumento na força gravitacional exercida pela Via Láctea, aumentando a probabilidade de colisões com Andrômeda e outras galáxias menores nas proximidades. O time usou o VLBA, um sistema com 10 radiotelescópios espalhados do Havaí até a Nova Inglaterra e Caribe, para observar regiões de formação prolífica de estrelas através da Via Láctea. O gás ionizado fortalece a emissão natural das ondas de rádio nessas regiões.

Os astrônomos rastrearam essas áreas, denominadas “cosmic masers” (MASER é a sigla de “Microwave Amplification by Stimulated Emission of Radiation”), observando-as quando a Terra estava em lados opostos de sua órbita em torno do Sol. O desvio aparente da luz (paralaxe) pode ser medido comparando com os objetos de fundo mais distantes para triangular as distâncias e movimentos do objeto mais próximo investigado. As observações também trouxeram uma luz sobre o formato espiral da Via Láctea, uma vez que os “cosmic masers” definem os braços espirais galácticos. As medições mostraram que a “maioria das regiões de formação estelar não segue um caminho circular em sua órbita em torno do centro galáctico. Ao contrário, encontramos essas regiões movendo-se mais lentamente que outras áreas em órbitas elípticas”, ressalta Reid. As órbitas circulares são o que denominamos densas ondas espirais de choque, que podem afetar o gás em uma órbita circular, comprimí-lo para formar estrelas e movê-los para uma nova órbita elíptica reforçando a estrutura elíptica da galáxia.

As observações realizadas através da rede de radiotelescópios VLBA também trouxeram mais surpresas sobre a estrutura espiral galáctica: “Essas medições indicaram que nossa galáxia provavelmente tem 4 e não 2 braços espirais de gás e poeira cósmica que formam estrelas”, completa Reid.

Pesquisas recentes através do telescópio espacial Spitzer da NASA sugerem que as estrelas mais velhas são encontradas em sua maioria apenas em 2 braços espirais. A razão pela qual não as encontramos em outros braços é uma questão que irá requisitar mais pesquisas, observações e medições. Em uma notícia separada a NASA anunciou uma fantástica nova imagem que é a mais nítida visão em infravermelho já obtida do núcleo galáctico. Esta imagem composta do centro da Via Láctea revela uma nova população de estrelas massivas e novos detalhes de estruturas completas no gás ionizado girando em torno do núcleo da Via Láctea (que tem um diâmetro de cerca 300 anos-luz).

Referências e fontes:

Science News: This is just in: Milky Way as massive as 3 trillion suns [Heftier size puts our galaxy on par with neighboring Andromeda, implying a closer collision date. Findings also suggest Milky Way has four spiral arms] por Ron Cowen

COSMOS: Milky Way faster and heavier than thought

COSMOS: Milky Way is much bigger than we thought

Space.com: Surprise! Milky Way Much More Massive por Andrea Thompson

Inovação Tecnológica: Via Láctea é mais rápida e mais pesada do que se acreditava

Telegraph.co.uk: Milky Way and Andromeda will collide sooner than expected

Scientific American: Milky Way Now in Larger Size!

www.eternosaprendizes.com

ATENÇÃO! Eternos Aprendizes estão em novo endereço, clique aqui nessa imagem para ir ao novo site!

Anúncios

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: